Sunday, 9th October 2016

Quase tudo em minha vida parece ter se tornado contraditório... E de contradições em contradições, sigo meu caminho.
Há tempos já não tenho encontrado inspirações para escrever, embora habite, num canto qualquer de minh'alma a premente necessidade de despejar palavras.



Neste domingo... Onde sopram os ventos... E nuvens escuras se acumulam ao derredor... Escuto as vozes do silêncio, que gritam aos ouvidos dessa minh'alma tão carente de paz, tão assoberbada pelas desventuras... Tão imersa em questionamentos vãos.

Minha bandeira, tremula sob os vendavais da inquietude. 
Meu barco se lança aos rochedos pelas forças tempestuosas dos mares bravios.
Tal qual Ulisses a envenenar-se na canção das sereias, sigo meu destino, preso aos mastros de uma embarcação errante, singrando oceanos desconhecidos, no teatro da vida... E a força "recrutados" que somos, atuamos na peça das ironias, onde deuses e demônios vivem tão somente a vampirizar de nós a esperança, e de esperanças vivemos e morremos.

Aqui, e agora, nada sinto além da imensa solidão... 

O dia passará... A noite virá... O tempo segue seu curso como as águas de um rio caudaloso... Não se detém, não se questiona, não vislumbra as maravilhas do universo, nem se oprimi diante do mal que se espalha pela face da Terra... Segue seu destino tão somente!



Wednesday, 27th April 2016

Como previra a meteorologia, a quarta-feira amanhecerá como uma chuva fina e o céu totalmente nublado, convidando os poucos e felizardos mortais que pudessem, a continuar debaixo de suas cobertas.

Embora eu pudesse, mesmo não sendo um mortal muito "felizardo", acabei acordando cedo e me dispondo a conhecer um lugar que tinha visto de longe no começo da semana, enquanto passava de carro pela via Dutra - O Shopping Eco Vale situado em Lorena.

O CPTEC através de uma matéria do G1, noticiava uma frente fria vinda do sul, e que após um mês inteiro de muito calor com temperaturas sempre variando em torno dos 30ºC e tempo seco, veríamos novamente aquele "friozinho", que poderia baixar as temperaturas até o final da semana, para uns 11ºC.

De fato, tive mesmo que retirar o cobertor do armário - Fez muito frio!... Talvez uns 16ºC, nesta noite.

Bom... De qualquer forma, fui mesmo para o tal Shopping e pra mim pelo menos foi um dia perfeito, tudo tranquilo e favorável!

O Shopping Eco Vale não havia completado 6 meses desde a sua inauguração. Por lá o clima gira em torno de crescimento e muita expectativa... Paramos em algumas lojas e almoçamos por lá, e nas conversas trocadas, descobrimos que o movimento até então, não parece deixar os investidores muito satisfeitos... Estava "tranquilo" demais da conta... Pouquíssimas pessoas!

E não era só porque se tratava de uma quarta-feira... Segundo informações, mesmo nos finais de semana, o movimento que só é maior na praça de alimentação, não é tão significativo assim.

O lugar é relativamente grande e espaçoso. Acho que tudo vai depender da resposta do público alvo, principalmente o da região de Lorena.

Bom... Na volta, passei por Guaratinguetá e aproveitei para fazer uma "fézinha" lá na famosíssima Apolo XI... Rsrsrsrs

Certamente nem todos vão saber o que é a Apolo XI, pois o nome do estabelecimento nada tem a ver com o produto, e muito menos porque é tão "famosíssima", mas essas informações estão espalhadas pela internet.

Então, depois de uma manhã e uma tarde gloriosa passeando de lá pra cá, travando contatos com pessoas e lugares diferentes, resolvemos voltar... Não sem antes entender o porque, daquela fila enorme em frente ao carrinho de pipocas na praça central de Guaratinguetá - Olha, o diferencial são os pedaços de queijo absurdos e sem miséria que realmente justifica qualquer tempo na fila... kkkkkkkkk

Impressionante mas, o que eu realmente queria registra é que me deu uma "doideira", e as 20h30min daquela noite fria e depois de ter tido um dia muito pra lá de muito bom, resolvi vestir um agasalho, calçar um tênis, e sair pra caminhar... Atravessei a cidade e fui parar na Rua Marechal Rondon... E pra quem não sabe é rua que fica atrás do Cristo Redentor... Exatamente, sai da minha casa, andei 4,4 Km, dei a volta por traz do Alto do Cristo, e voltei... Mais 4,4 Km... Tudo isso em 2 horas de caminhada... As 22h30min, já estava em casa, tomando um banho quente!

Foi meio doido, não só pelo frio que estava fazendo, mas por ter encarado aquela subida "monstro", bem de frente ao Cristo Redentor, após uma marcha nervosa de quase 1 hora.

Embora tenha chegado lá em cima, ofegante, esgotado, pingando suor, e querendo voltar de táxi (kkkkkkk), fiz questão de subir o morro em ritmo militar... E consegui! - Uhuuuuuuu!

Não basta existir, é preciso compartilhar a existência...



Saturday, 28th April 2016

Não sei o porque, ou qual o sentido (se é que existe) dessa necessidade do ser humano de se expressar e de expor suas ideias (conceito, imagem, concepção, abstração...), ideais ( ideologia, princípio, convicção...) e pensamentos.

Mas o certo é que hoje mais do que nunca vemos essa necessidade escancarada... A tecnologia forneceu ferramentas, para todos os seres comuns... Eu... você... Pudéssemos eternizar um pouco de nós pelos quatro quantos do mundo.

Antigamente, só os "escolhidos" podiam ser vistos nas TVs abertas, mas hoje temos as TVs a cabo, com uma diversidade infinita, de infinitas possibilidades. São rostos diferentes e as vezes tão comuns, falando de viagens, de comida, da vida dos bichos, da natureza, da música, das novas tecnologias, descobertas, de tudo... sobre tudo...

E graças a essas ferramentas tecnológicas, eu também me permito viajar pelo mundo, deixando um "legado" de pensamentos e sentimentos, ao mesmo tempo em que na mesma via vou "esbarrando" vez ou outra, com os devaneios filosóficos de tanta gente que salta do anonimato, através da internet... sites... blogs... youtubers... twitters... facebooks... instagram...

A cada dia alguém inventa algo novo, que logo começa a vingar e a fazer parte de nossas vidas.

O mundo mudou, definitivamente! Talvez até que um "BUM", o coloque novamente na era dos dinossauros, e a raça humana volte a idade da pedra e precise recomeçar do nada, do zero... Há tantas teorias acerca da expansão do universo que é melhor nem entrar em detalhes.

De qualquer forma, como "bons mortais" que somos, até lá já estaremos todos mortos, e outros seres deverão desfrutar ou amargar os segredos desse futuro ainda insondável.

É certo que grandes homens e mulheres, vieram à cumprir grandes missões... Talvez vejamos ainda, outros tantos grandes homens e mulheres, escrevendo na continuidade, páginas fabulosas dessa jornada da humana.

Claro que nem tudo é só maravilha, e assim como a diversidade da própria humanidade propõe a pluralidade de ideias e ideais, os campos também estarão sempre férteis a todo tipo de "loucura" humana.

Tuesday, 26th April 2016
  
Como sempre (ou quase sempre), quando surge alguma inspiração, sento-me em frente ao notebook e deixo que meus pensamentos ditem os rumos de mais uma postagem.

Tenho muita facilidade em digitar (datilografar), pois em 19xx e lá vai bolinha, eu, como quase todo mundo que buscava se "enquadrar" no esquema/sistema da época, sabia que um curso de datilografia era tão ou mais importante do que fazer uma autoescola.

Assim sendo, entre outras "N" coisas importantes para se fazer nos tempos de antigamente, a datilografia era quase um oráculo obrigatório... E lá fui eu, meio que achando a mesma coisa quando tive que aprender logaritmo neperiano, cujo o inventor, um matemático escocês chamado John Naper,utilizou a base de cálculos invertida ou 1/e (1/2,718281828459045...)... Tá! - Vamos parar com essas divagações por aqui.

Voltando ao raciocínio... 


Só hoje, depois de muitos e muitos anos, entendo o quanto foi bom para mim ter aprendido a datilografar, pois com o advento da informática, que trouxe nos modernos teclados os mesmos posicionamento de caracteres das antiquíssimas máquinas de escrever, todo o processo de digitar letras e formar palavras no "papel digital" é simplesmente muito mais fácil e "milhões de vezes" mais rápido para mim, do que me aventurar a escrever utilizando uma caneta sobre papel

OK! - A princípío pode até parecer uma obviedade, dizer que se prefere digitar do que escrever, mas veja bem o contexto... pois muita gente que começou já na época dos computadores, não teve essa mesma sorte e aprendeu a digitar "catando milho", precisa necessariamente ficar com "um olho no peixe e outro no gato"... Kkkkkkkkkkkk

Desculpem-me o riso largado, mas é que foi muito engraçada essa analogia.

Vejo tanta gente "cutucando" as teclas enquanto divide sua atenção entre o monitor e as mais de 130 teclas do teclado, se considerarmos as muitas funções de atalho disponíveis, que embora venham para facilitar, parecem acrescentar mais um amontoado de informações a serem processadas, num dispositivo que começou pequeno e agora parece se expandir a gosto dos inventores de plantão... E me desculpem novamente, a sinceridade, mas chega a dar nos nervos observar alguns digitadores e sua malabares de dois dedos, enquanto os olhos vão e voltam do monitor, catatonicamente... Rsrsrsrsrs 

 http://terracomunal.sescsp.org.br/mai/oito-performances/fernando-ribeiro#Claro que nem tudo que aprendemos, e ao qual dedicamos tempo, esforços e dinheiro, acabam de fato trazendo algum beneficio futuro, em muitos casos os resultados de muitos investimentos ficam mesmo guardados no baú das experiências - que é muito válido!

Alguns mais nostálgicos costumam dizer que aos avanços da modernidade tiram um certo "glamour", e deixam as "coisas muito frias"... Não discordo totalmente e pra deixar você refletir sobre essa questão, postei um vídeo que achei muito interessante e ao qual faço as devidas referencias:
video
Fernando Ribeiro ► "O datilógrafo". 
http://terracomunal.sescsp.org.br/mai/oito-performances/fernando-ribeiro#